Papel Couchê: tudo o que precisa de saber

O que é importante dizer é: “o papel couchê é um dos que apresenta melhor qualidade de impressão”. Não é por acaso que este material é muito utilizado na indústria gráfica! São inúmeros os produtos em que é utilizado e, por isso, é provável que já tenha ouvido falar.

Mas, agora que chegou a sua vez de comprar materiais gráficos, será que sabe mesmo o que é papel couchê? Será que sabe a diferença entre fosco ou brilho e por qual deve optar de acordo com o resultado final que deseja obter? E ainda, tem curiosidade em saber quais os preços e gramaturas? 5 Minutos é o suficiente para ficar um profissional neste tema!

 

Em que consiste

 

Couchê tem origem na palavra francesa coucher, que significa camada. Este termo adequa-se na perfeição a este material, que é constituído por uma base de papel offset revestida por uma camada de carbonato de cálcio, caulim, látex e outros aditivos. Estes componentes fazem toda a diferença porque permitem obter uma superfície muito branca, lisa e uniforme que proporciona um excelente acabamento.

O papel couchê é microporoso e essa é uma das suas principais características. O nome pode dar a entender que se trata de algo complexo, mas na verdade só quer dizer que os poros são menores e não existe tanta absorção de tinta. É que, como este papel tem revestimento, a tinta fica na camada superficial e não passa para as secundárias – o que permite obter uma impressão que se destaca.

 

 

Couchê L1 e L2

 

Estes termos dizem respeito ao número de lados do produto em que a camada é aplicada.  Quando o revestimento é aplicado dos dois lados, designa-se L2 e é muito usado no caso de produtos em que muitas pessoas optam pela impressão frente e verso, como flyers. Quando a camada é aplicada apenas sobre um dos lados, chama-se L1.

 

 

Tipos de papel couchê

 

 

mate-vs-brilho
O resultado final dos produtos impressos em papel couchê varia em função das opções de acabamento.

 

 

Papel couchê fosco

 

Possui as vantagens dos papéis revestidos brilhantes e dos papéis não revestidos. É o ideal quando o objetivo são produtos sofisticados porque, como absorve mais luz, permite obter um resultado final com cores puras e com elevado contraste.

O papel couchê mate ou fosco como é conhecido aqui no Brasil, é indicado para imprimir cartões de visita, folders ou calendários, por exemplo.

 

Papel couchê brilho

 

Adequa-se para produtos com imagens porque, como tem um brilho acetinado, as cores impressas têm vida. Este tipo de papel reflete muito a luz e isso pode atrapalhar a leitura, embora também dependa do material gráfico e da gramatura.

Catálogos, convites ou cartões de agradecimento são exemplos de produtos de marketing muito pedidos em couchê brilho.

 

Papel couchê com acabamento fosco ou brilho

 

Se optar por recorrer aos serviços de uma gráfica, é possível que as opções brilho ou fosco estejam disponíveis no tipo de acabamento e não na opção para escolher o papel.

  • Tipo de papel: couchê
  • Tipo de acabamento: Fosco ou Brilho

 

 

Quando não usar papel couchê

 

Este é um dos tópicos mais importantes e é válido apenas para o couchê brilho: isto porque se o usar em impressoras com jato de tinta, o mais provável é que a impressão vai ficar ruim.

Lembra que eu disse que este papel, quando comparado com outros, não absorve tanto a tinta?

Pois bem, saiba que: as tintas de base de óleo secam rápido e, por isso, não há problema em aplicá-las no papel couchê – como é o caso das tintas offset. No caso do jato de tinta ou dos toners, tratam-se de soluções à base de água e, por isso, a fixação ocorre através dos poros do papel. Como a camada torna os poros menores, é possível que a impressão manche ao tocar. Por isso, em vez de comprar resmas de papel couchê, é preferível optar pelos serviços de uma gráfica – além disso, a impressão dos seus produtos fica a cargo de profissionais especializados, que podem dar-lhe conselhos de acordo com o resultado final que pretende obter.

 

Muitas vezes, imprimir em casa não compensa:

 

  • Primeiro porque não é possível obter qualidade profissional – numa gráfica, a impressão passa por diversas fases e beneficia de equipamentos e técnicos especializados;
  • Depois porque as gráficas apresentam preços cada vez mais em conta – por vezes não compensa comprar uma resma de papel couchê para imprimir apenas determinado produto;
  • E, por fim, porque quando imprime em casa é muito provável que o faça mais do que uma vez – como não obteve o resultado que esperava na primeira tentativa, acaba por recorrer a uma segunda.

 

 

Gramaturas e preço do papel couchê

 

Este tipo de papel é fabricado com várias gramaturas, varia aproximadamente entre 70gr e 350gr. As principais diferenças relacionam-se com a resistência e com a flexibilidade do papel e, no momento de escolher, deve-se ter em conta o tipo de produto impresso: na 360imprimir, por exemplo, recomendamos o papel couchê 90gr para flyers.

 

90grs
Quanto menor a gramatura, mais maleável é o papel.

 

Relativamente ao preço, quando comparado com o papel IOR ou offset, o couchê é mais caro. É que, além da base de papel normal, tem a camada de revestimento, e este processo implica mais tempo e mais matéria-prima.

Este Post foi útil? Sim Não
Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta